1/4 de século compreendendo as pessoas

Fazer pesquisa de opinião e de mercado não é uma tarefa fácil!

.

Exige empreendedorismo, conhecimento técnico em atualização constante, controles de qualidade, comprometimento permanente e muita seriedade.

.

E é com essa base que o IPO – Instituto Pesquisas de Opinião está fazendo 25 anos, com uma história feita por muitas mãos, com uma trajetória de muitos “pensos”, com uma jornada de muitas e muitas pessoas, com uma caminhada conjunta de dedicação, ética e ciência.

.

Em um momento conturbado para a humanidade, o termo ciência tem sido colocado à prova e cada um parece ter a sua “teoria” para explicar o desenrolar da pandemia e justificar as decisões baseadas em critérios políticos.

.

Vale lembrar que a ciência tem três pressupostos básicos: a descrição do fenômeno, o mapeamento da regularidade do tema em estudo e, de posse dessa caminhada longitudinal, o estabelecimento de leis e teorias: a ciência deve ser fundamentada em métodos e sucessivos experimentos que possam ser replicados.

.

O IPO nasceu com essa premissa, de levar a ciência para o mercado.

.

De sistematizar as opiniões, compreender as práticas de consumo. De entender a jornada, decifrar comportamentos e estimar as tendências futuras.

.

Nosso propósito foi alicerçado em três pilares de atuação: ciência, premium e inovação. Ciência é a chave do trabalho do IPO. Fazer pesquisa exige técnica, método e arcabouço teórico.

.

A inovação é vital nesse contexto e é muito maior do que a tecnologia. Refere-se à capacidade de revisitação permanente dos conceitos, de olhar a realidade sempre com uma “nova lupa”, como se cada pesquisa fosse uma nova jornada de etnografia social.

.

Ser premium em nossa área de atuação significa dedicação integral, entrega completa, visão sistêmica, capacidade analítica e sociológica para compreender e interpretar os fenômenos.

.

Os pilares de atuação de nosso propósito motivam no mercado a ideia de que “se há uma hipótese ou problema de pesquisa, o IPO investiga e responde”.

.

Esse ¼ de século foi de intensas descobertas:

– Vimos a opinião pública fazer vários “olés”, mudando em relação a temas polêmicos e políticas públicas;

– Investigamos a posição dos gaúchos sobre a abertura do comércio aos domingos, concessões, privatizações;

– Acompanhamos a entrada da internet e das redes sociais na vida das pessoas;

– Estudamos os impactos e a adaptação das pessoas à tecnologia (na família, escola e trabalho);

– Compreendemos a ampliação do individualismo em detrimento da consciência coletiva;

– Passamos da análise do perfil do público-alvo para a compreensão da jornada de compra, da experiência da persona;

– Aprendemos que o empoderamento do consumidor aumentou a sua exigência e capacidade crítica;

– Monitoramos o crescimento da negação com a política e o espaço ocupado pelo discurso da intolerância, nas bolhas digitais;

.

Comemoramos ¼ de século “reinvestigando” as mudanças sociais e comportamentais que estão sendo motivadas pela pandemia. Quanto mais aprendemos, maior é o nosso entendimento de que há muito o que aprender.

.

Nosso trabalho é ouvir e compreender as pessoas. E as pessoas estão em constante transformação.

No Comments

Post A Comment

© 2016 IPO - Todos os direitos reservados