A incerteza da economia está associada à incerteza da política

Partindo de um cenário positivo, a expectativa da economia em 2018 é de recuperação, considerando o desempenho de cada segmento. A inflação é o grande termômetro que inclui os fatores de avaliação de uma política instável e em período em que se tem um processo eleitoral em curso.

Economia e política são como um círculo vicioso: um interfere diretamente no outro. E, quando se pensa em política, deve-se pensar no macro e no micro. Tanto nas decisões governamentais, quanto nas decisões políticas individuais.

As decisões individuais do consumidor e do eleitor são motivadas pelo efeito manada: uma tendência que é seguida por muitos. Se há confiança, há uma tendência, uma racionalidade e, se não há confiança, há uma volatilidade.

Do ponto de vista econômico, o consumidor apresenta índices de confiança ainda céticos, mas com expectativa de melhorias. Espera que haja mais ofertas de empregos e redução de preços, o que os motivaria ao consumo. E a ampliação do consumo motiva os investimentos.

É um momento de rupturas, há grande incerteza na política. O ano de 2018 pode ser comparado ao de 1989. E, como naquela época, o debate econômico é o grande anseio do eleitor. O eleitor almeja por estabilidade econômica e postos de trabalho. Mas não percebe pré-candidatos com potencial político para tanto. O eleitorado nacional está dividido em quatro grandes grupos:

– Os que tendem a se alienar (brancos, nulos e abstenções) em maior número do que eleições anteriores;

– Os eleitores de Lula, que mostram gratidão pelos programas sociais (mas não transferirão o seu voto para outro candidato do PT);

– Os eleitores de Bolsonaro, que são motivados pela moralidade e pelo tema da segurança pública;

– E os eleitores que estão em busca de um ‘Salvador da Pátria’, que tenha a capacidade de resolver os principais problemas do País.

O primeiro semestre de 2018 será de muitas incertezas políticas e econômicas. O tempo da política ocorrerá quando a campanha for efetivamente deflagrada e os candidatos se apresentarem, possibilitando avaliações de tendências mais concretas.

Elis Radmann é cientista social e política. Fundou o IPO – Instituto Pesquisas de Opinião em 1996. Utilizando a ciência como vocação e formação, se tornou uma especialista em comportamento da sociedade. Socióloga (MTb 721), obteve o Bacharel em Ciências Sociais na UFPel e tem especialização em Ciência Política pela mesma universidade. Mestre em Ciência Política pela UFRGS e professora universitária, Elis é diretora e Conselheira da Associação Brasileira de Pesquisadores de Mercado, Opinião e Mídia (ASBPM) www.asbpm.org.br
No Comments

Post A Comment

© 2016 IPO - Todos os direitos reservados