A insensibilidade ‘nonsense’ dos representantes do povo com a nova cultura silenciosa

O protesto deste último final de semana nasceu do desencantamento da população com os políticos e, em especial, a partir da instabilidade econômica e política que atinge o País. Pode-se listar uma série de motivadores sistêmicos que começa desde o combate à corrupção até o repúdio às mudanças realizadas pelos parlamentares em relação ao projeto anticorrupção proposto pelo Ministério Público.

Analistas limitam a importância dos protestos com base no número de participantes, utilizando como parâmetro de referência as multidões que ocuparam ruas e avenidas nas manifestações de 2013. Esta leitura é tão perigosa quanto a insensibilidade de políticos que recomendam ‘alfafa aos manifestantes’ de ‘passeatas nonsenses’.

Há uma nova cultura silenciosa em curso, que se manifesta, reclama e protesta de diversas formas. Esta cultura está presente nas passeatas e nas ocupações escolares, e se mostra nas abstenções do processo eleitoral; também se expressa pela tendência de mudança, na eleição de candidatos sem tradição política. Esta cultura silenciosa, que nasce da desconfiança com os políticos (95% no RS), motiva uma desconfiança generalizada nas instituições representativas e assola o comportamento nas primeiras instituições sociais (como a família, escola…), diminuindo os indicadores de solidariedade e ampliando o nível de individualismo.

Esta nova cultura silenciosa nasce da descrença, que tem raiz no ceticismo de uma sociedade que sempre oscilou entre sentimentos de esperança (depositando o voto) e de frustração (não tendo as expectativas atendidas). A maioria dos ditos representantes do povo se mostram insensíveis ao clamor popular ou ainda não foram informados que há uma nova cultura silenciosa, alterando o comportamento e as crenças da sociedade brasileira. Desconsideram que o brasileiro ‘cordial’ já teve sua paciência testada de todas as formas e que, para a população, o atual sistema só interessa a quem se locupleta dele.

Esta nova cultura silenciosa exige um novo comportamento dos políticos e de toda a sua rede de relações. Exige uma revisão das cartilhas partidárias e da reforma do sistema político. Mas, antes de tudo, exige a moralidade pública, o resgate da ética e a compreensão de que ‘não existe meio-certo’. A população é categórica em seu desencantamento, expressado pelo desinteresse e pelo ceticismo. Há um dito popular que professa: “se os gatos saem, os ratos tomam conta”. Infelizmente, esta nova cultura silenciosa está reposicionando este dito quando pensa em seus representantes, ao passo em que “os gatos foram presos e os ratos tomaram conta”.

No Comments

Post A Comment

© 2016 IPO - Todos os direitos reservados