Entre a polarização e a esperança!

Diz o dito popular que o brasileiro não desiste nunca. E é essa força histórico-cultural que move as pessoas nesse momento em que se vive sentimentos tão dicotômicos, indo do desânimo à esperança.
.
As pesquisas realizadas pelo IPO – Instituto Pesquisas de Opinião mostram que a maioria dos gaúchos estão exaustos, não podem nem mais ouvir falar em pandemia. E cada um tem o seu motivo!
.
Alguns pelo cansaço causado pelo isolamento social (incluindo a ansiedade, o stress ou a depressão), outros sofrendo com as sequelas financeiras impostas pelas medidas restritivas e alguns ainda tentando tratar as sequelas da infecção ou chorando as perdas de seus entes queridos.
.
Os gaúchos também mostram uma certa estafa com o acirramento político, em especial, com a polarização política que dissemina o discurso do ódio e gasta mais tempo procurando um culpado do que indo atrás de uma solução. Sete de cada dez gaúchos reconhecem que há uma polarização em curso e a maioria avalia que essa polarização “mais prejudica do que atrapalha”. Sabendo que ainda tem os “atacantes políticos” que gostam muito de uma disputa e os “zagueiros políticos” que acabam entrando na briga para evitar um “mal pior”.
.
A pandemia castigou o Estado de todas as formas, tirando vidas, criando traumas emocionais, desigualdade educacional e prejuízos financeiros de toda ordem. É como se vivêssemos em um período pós-guerra e a maioria desejasse a superação do conflito, virar a página com sabedoria para encontrar o melhor caminho e esperar pela união para alcançar esse propósito.
.
O que as pessoas querem é esperança para acreditar, é motivação para “arregaçar as mangas” e trabalhar, conseguir um emprego ou empreender. Quem tem filho aguarda pelo melhor plano de recuperação das lacunas deixadas pelas aulas remotas e quem tem um problema de saúde espera que a sua demanda seja resolvida o mais rápido possível.
.
O desejo é simples, a maioria da sociedade espera que os gestores públicos tenham eficiência administrativa e muita sensibilidade social. Mais de 2/3 da sociedade não querem briga, não querem polarização, não querem achar um culpado. A expectativa é que os líderes guiem a população na saída dessa pandemia, mostrando políticas públicas que amenizem as “dores” e os sofrimentos e sinalizem os recomeços, com foco no desenvolvimento social e econômico e no combate à inflação. Não precisa nem de pesquisa de opinião para saber que a nova preocupação da população está associada ao aumento contínuo de preços, que tem como “carro-chefe” os combustíveis, a energia e alimentação básica.
.
A pesquisa identificou que mais da metade dos gaúchos estão com a crença em alta, acreditam que nos próximos 12 meses o Estado do RS irá se desenvolver e a sua vida familiar irá progredir. Quanto menor a escolaridade e a renda familiar, maior a esperança em dias melhores. Os mais jovens também estão mais motivados com o futuro e acreditam que a pandemia irá diminuir e a vida irá ir voltando ao normal.
.
Enquanto a polarização divide, a esperança estimula!
No Comments

Post A Comment

© 2016 IPO - Todos os direitos reservados