O sonho que separa gera a eleição que divide!

Neste processo eleitoral, a maior parte dos eleitores não tem expectativa de melhoria com o resultado da eleição! Para 48,9% dos eleitores as coisas vão ficar como estão, para 24,9% vão melhorar e 21,4% acreditam que vai piorar.

As demandas são muitas e os desejos maiores ainda e, cada vez mais, estes desejos se classificam como sonhos, como algo idealizado, mas sem garantias de concretização. A maior parte dos gaúchos gosta de morar no país, mas não está feliz com o que vê no noticiário ou em seu cotidiano, há muita preocupação com o futuro.

Por princípio, a eleição é o momento de renovação do contrato social, quando os eleitores compactuam suas demandas e seus sonhos com os candidatos. E os candidatos depois de eleitos deveriam se comprometer em executar estes sonhos.

Os sonhos dos eleitores são simples, são básicos e se alicerçam nas bases da democracia:  desejam políticos honestos, que trabalhem pela sociedade, que cuidem do dinheiro público e resolvam problemas nas áreas da saúde, segurança, educação e infraestrutura.

Há um grupo de eleitores que está desolado com a corrupção e sonha com um presidente honesto, que ponha ordem e moralidade política. Para estes, a política do conchavo e do toma-lá-dá-cá precisa ser alterada. Há uma leitura de que boa parte da ineficiência dos serviços públicos está associada à corrupção.

Outro grupo de eleitores deseja um presidente que esteja engajado em trabalhar pela população, em especial, cuide dos que mais precisam e dê prioridade para projetos e direitos sociais.

E há quem sonhe com a retomada do crescimento econômico e a diminuição do número de desempregados, com a crença de que, o resto, a população dará conta.

Tem eleitores que se preocupam com a prestação dos serviços públicos, como saúde, segurança, educação e a continuidade de obras paralisadas. Para estes eleitores o maior problema está associado à falta de vontade política e à incapacidade administrativa.

Cada um destes sonhos encaminha o eleitor para uma tendência de voto: analisam as opções disponíveis e tentam se posicionar. Muitos eleitores olham, analisam e não percebem um candidato com as condições necessárias: os que têm capacidade de gestão não desfrutam de uma boa reputação em termos de honestidade e os que são tidos como honestos não transmitem segurança em termos de capacidade de gestão.

Nesta conjuntura, muitos eleitores acabam decidindo por exclusão. Exclui um candidato por isso, exclui outro por aquilo e o que sobra é a decisão de voto no menos ruim.

Sempre digo que o voto é o sintoma de um comportamento. Se entendermos o comportamento, entendemos a decisão do eleitor. Os eleitores estão divididos em diferentes sonhos. Sonhos que brotam no seio da sociedade, a partir de suas angústias e preocupações. E, neste contexto, há muitos que sonham com algo que não está posto, por isso, não sabem o que querem, mas sabem o que não querem.

Estamos assistindo a um país se dividir em pelo menos quatro grandes lógicas: os que estão de um lado, os que estão de outro, os que não querem nem um dos lados e os que não estão nem aí para o que está acontecendo (pois acreditam que não têm responsabilidades com o processo ou sempre estiveram distanciados do mesmo).

A boa notícia é que esta conjuntura deve gerar uma tendência de diminuição de votos brancos, nulos e abstenções no primeiro turno. A má notícia é que, no segundo turno, o processo deve ser contrário.

https://www.coletiva.net/colunas/o-sonho-que-separa-gera-a-eleicao-que-divide-,282907.jhtml

Elis Radmann é cientista social e política. Fundou o IPO – Instituto Pesquisas de Opinião em 1996. Utilizando a ciência como vocação e formação, se tornou uma especialista em comportamento da sociedade. Socióloga (MTb 721), obteve o Bacharel em Ciências Sociais na UFPel e tem especialização em Ciência Política pela mesma universidade. Mestre em Ciência Política pela UFRGS e professora universitária, Elis é diretora e Conselheira da Associação Brasileira de Pesquisadores de Mercado, Opinião e Mídia (ASBPM) www.asbpm.org.br

No Comments

Post A Comment

© 2016 IPO - Todos os direitos reservados