Técnicas de pesquisa

< voltar

Pesquisas Quantitativas

A generalização é garantida pela quantificação, que garante a leitura da tendência. Os cientistas do IPO primam por trabalhar com questões fechadas, seguidas de questões abertas que garantem a explicação dos fenômenos. As pesquisas quantitativas se dividem em duas lógicas: probabilísticas (que permitem estimativas) e não probabilísticas.

a) Amostras Probabilísticas

Amostra aleatória

Utilizam-se amostragens aleatórias com ou sem reposição. No caso de entrevistas pessoais as amostras domiciliares são baseadas em setores censitários do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Amostra estratificada

É uma amostra extraída em pontos de fluxo do local pesquisado. Os entrevistados são selecionados a partir de cotas preestabelecidas, conforme recorte do objeto em estudo.

Amostra sistemática

Neste tipo de técnica amostral, é verificado o comportamento do universo e estabelecida uma regra para sistematização da coleta, conforme as características e distribuição do público alvo.

b) Amostras Não-probabilísticas

Amostra por acessibilidade

É utilizada em estudos exploratórios onde são selecionados os elementos a que se tem acesso.

Amostra por cotas

Os entrevistados são extraídos a partir de classificação de elementos ou de uma seleção de grupos ou classes não-aleatórias.

Amostra por julgamento

As entrevistas são aquelas que o projeto julga importante, que tem as características definidas e detém informações ou opiniões importantes para o estudo.

Técnicas de Pesquisa IPO

Pesquisas Qualitativas

As técnicas qualitativas garantem o aprofundamento, a tradução do significado, a compreensão da crença. Os cientistas do IPO dominam com maestria a técnica de elaboração do roteiro, de extração dos dados, bem como das mais avançadas análises de conteúdo para interpretação dos dados.

Grupo focal ou discussão em grupo (utilizando sala de espelho)

Este tipo de trabalho consiste na realização de um estudo com um grupo de discussão, selecionado com base em uma pesquisa quantitativa ou em um banco de dados, conforme o objetivo do estudo. Neste tipo de técnica os entrevistados discutem, diante da intervenção de um mediador e respondem a um roteiro de questões pré-estabelecidas. É apropriado para aprofundar questões e avaliar a persuasão de imagens e símbolos, investigar percepções, sentimentos, sistemas de crenças, testar produtos, analisar eficiência e inserção de propagandas. O andamento das atividades é monitorado por áudio e vídeo, podendo haver observação através de uma sala de espelhos, assim como  a alocação de novas questões.

Entrevista em profundidade

Neste procedimento são realizadas entrevistas individuais, que podem ser repetidas em um determinado espaço de tempo. Nestas entrevistas há o aprofundamento do assunto analisado e a investigação sobre a influência do objeto em estudo no cotidiano do entrevistado. É indicada para realizar o acompanhamento da evolução da opinião acerca de um determinado assunto.

Pesquisa etnográfica

Pesquisa que realiza uma análise holística ou dialética do objeto estudado. Método onde o pesquisador se introduz com uma participação ativa e dinâmica na estrutura pesquisada, buscando revelar as relações e interações significativas de modo a desenvolver a refletividade sobre a ação de pesquisar. Este tipo de estudo pressupõe a técnica da observação participante e exige um tempo mínimo para execução, tendo em vista a necessidade de envolvimento com o objeto observado.

Design ThinkingNa técnica de investigação utilizando o design thinking o processo sempre começa pela identificação de um problema e se caracteriza pela interação com o entrevistado. Para tanto se utiliza as seguintes ferramentas:

Mapa de stakeholders: É uma representação visual ou física dos diversos grupos/públicos envolvidos em determinado serviço.

Mapa de jornada do usuário: Oferece uma visualização da experiência do usuário. Os pontos de contato por meio dos quais o usuário interage com o serviço são muitas vezes usados para construir uma jornada.

Entrevistas contextuais: São conduzidas no ambiente ou contexto em que ocorre o processo de serviço em questão. Essa técnica etnográfica permite que os entrevistadores observem e investiguem o comportamento no qual estão interessados.

Os 5 porquês: Uma corrente de perguntas utilizada para explorar mais profundamente um sintoma exterior na experiência do usuário, com o objetivo de revelar as motivações que constituem sua causa raiz.

Sondagem cultural: O usuário participa da pesquisa por meio de registro e auto documentação, feitos com o auxílio de um kit para sondagem.

Cliente Oculto

Nesta técnica qualitativa o entrevistador é um cliente misterioso ou cliente secreto, com o perfil de consumo relativo ao produto ou serviço testado. O cliente oculto realizado pelo IPO faz simulação ou efetivação de compra, avaliando todos os processos e pessoas envolvidos na jornada de compra. O cliente oculto pode utilizar ou mesclar diferentes ferramentas de investigação, seja pelo contato pessoal, por telefone ou por web.

Pesquisa Exploratória

Pesquisas Desk Research

A técnica de Pesquisa Desk Research ou em fontes secundárias é um trabalho que consiste na coleta e compilação de dados disponíveis sobre determinado assunto, dados que já foram coletados, tabulados, ordenados, analisados e catalogados e estão à disposição dos interessados. A pesquisa em dados secundários pode ser realizada em fontes internas (da própria empresa) e/ou de fontes externas (publicações oficiais, dados de associações, sindicatos, governos, instituições não governamentais, etc.).

Os dados secundários podem ser sistematizados a partir de instituições como IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), TSE (Tribunal Superior Eleitoral), SIDRA (Sistema IBGE de Recuperação Automática), FEE (Fundação de Economia e Estatística), etc, também através de jornais, revistas, periódicos.

Rol de indicadores IPO

© 2016 IPO - Todos os direitos reservados