Como o eleitor está se informando sobre política

Vivemos em um cenário político muito difícil para a maioria do eleitorado. De um lado, indagação, descrença, ceticismo com todo o contexto político e, principalmente, com a guerra ideológica em curso. As palavras decepção, tristeza e frustração são constantemente citadas pelos entrevistados nas pesquisas realizadas pelo IPO – Instituto Pesquisas de Opinião.
.
De outro lado cresce a intolerância, o discurso de ódio e a estratégia de marketing de guerra que busca um culpado, que aponta um inimigo. Dois lados brigando entre si, espalhando Fake News e desinformação.
.
A situação econômica do país e o aumento da inflação preocupam muito a sociedade, que ainda está “cambaleando” com o isolamento e os efeitos das medidas restritivas durante a pandemia.
.
Em um momento de tanta instabilidade, a maioria dos eleitores sinaliza a dificuldade em definir o canal e a fonte de informação confiável para depurar tudo o que vem acontecendo e tentar formar uma opinião, ter uma avaliação sobre o contexto político e econômico.
.
A saída encontrada por 40,0% dos eleitores tem sido o multicanal, com efeito multitela. A principal prática é buscar informação em veículos tradicionais como televisão, jornal e confrontar essas informações com mídias digitais. O eleitor assiste a uma notícia na TV e vê o que as pessoas estão falando nas redes ou consulta a postagem de um influenciador digital, jornalista ou político. O efeito contrário também acontece, o eleitor percebe que as redes estão fazendo comentários sobre um tema e dá uma parada para assistir aos telejornais ou escutar um programa de debate na rádio local.
.
Os eleitores estão retomando um hábito antigo, o de trocar informações e ideias entre si. Uma prática comum na época em que se tinha um limitado acesso à informação e que volta à tona em um momento em que se tem canais em excesso e pouca confiança nas fontes. Em média, 20,0% dos entrevistados declaram que se informam sobre política com a rede de relação, com familiares ou amigos. O que acompanha menos a política pede a opinião de quem se informa mais. Há troca de impressões e o formador de opinião da família ou o amigo acaba sendo o “oráculo” desse processo.
.
O mundo digital garante a informação para 15,0% dos eleitores, que só se informam em plataformas digitais de notícias, acompanham páginas de políticos ou comentaristas políticos. Nesse grupo se destaca a relevância e a importância do Twitter.
.
Mas, diante de uma cultura de crescente negação da política, ampliada pela criminalização dos políticos, temos que contabilizar os 23,0% que declaram que não se informam sobre política, não querem saber de política e desligam a TV ou bloqueiam toda e qualquer página ou comentários políticos que apareçam em suas redes sociais. A metade desses eleitores afirma que se informa sobre política no tempo da eleição e a outra metade se mostra um eleitor adepto do voto branco ou nulo ou até se orgulha em se manter afastado desse mundo.
.
E ainda encontramos 2,0% dos eleitores que citam que se mantém informados sobre a política através do relacionamento com partidos políticos, movimentos sociais ou ONGs.
No Comments

Post A Comment

© 2016 IPO - Todos os direitos reservados